Atenção: vem aí uma onda de calor

A semana arrancou com aguaceiros e o estado do tempo deverá melhorar a meio da semana, prevendo-se valores de temperatura elevados a partir de quarta-feira, 6 de julho.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), esta terça-feira continuam a ser esperados períodos de “céu muito nublado”, apresentando-se pouco nublado no interior até final da manhã. Estão previstos também aguaceiros, que poderão ser acompanhados de trovoada, em especial no interior e durante a tarde.

As máximas vão variar entre os 34°C, em Castelo Branco e Bragança, e os 36°C, no Porto. As mínimas vão oscilar entre os 19°C, em Castelo Branco, e os 14°C, em Beja.

Na quarta-feira, continuam a existir “condições de instabilidade devido a uma depressão em altitude, pelo que é provável a ocorrência de aguaceiros e trovoada nas regiões Norte e Centro, em especial no interior”.

No entanto, a partir deste dia está previsto um aumento das temperaturas. Em causa está  “um fluxo do quadrante leste na circulação de um anticiclone localizado a nordeste dos Açores, estendendo-se em crista até à Europa Central”, que transportará uma massa de ar quente e seco sobre o território do continente.

“Assim, prevê-se uma subida dos valores da temperatura, em especial da máxima, atingindo valores acima de 30°C na generalidade do território, com exceção de alguns locais na faixa costeira ocidental, sendo entre os 35 e 40°C nas regiões do interior e vales do Tejo e do Sado, não sendo de excluir valores pontualmente superiores”, indica o IPMA.

A temperatura mínima “também deverá aumentar, sendo previstas noites tropicais (mínimas acima de 20°C) em algumas regiões”. A tendência aponta para uma persistência de valores elevados de temperatura nos dias seguintes, pelo que é provável que venham a ser emitidos avisos de tempo  quente“, alerta.

Já o vento  “soprará geralmente fraco a moderado predominando do quadrante leste, sendo por vezes forte nas terras altas, rodando temporariamente para noroeste no litoral oeste durante as tardes”. O IPMA avida que estas condições meteorológicas, associadas também a valores baixos da humidade relativa do ar,  “resultarão igualmente num aumento significativo do Perigo de incêndio rural”.

Advanced Heading
SUBSCREVA JÁ

NEWSLETTER

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Ler mais