Opinião por Carlos Vinhal Silva: Não temos aquilo que nos dão

O meu Avô costumava dizer que aquilo que temos não está no que ganhamos, mas naquilo que poupamos. É neste pensamento do meu Avô, e derivando-o um pouco para pensamentos meus, que encontrámos mote para o texto que redigimos, cujo título enunciado é uma clara adaptação do ensinamento que ainda hoje recordo. De facto, aquilo que temos está efetivamente no que poupamos, do mesmo modo que não temos aquilo que nos dão, mas aquilo que conservamos, estimamos e cuidamos.

Ora, muitas vezes são-nos oferecidas coisas nas quais não vemos valor ou utilidade, mas essa nossa visão nem sempre se revela certa; frequentemente lamentamos o pouco tempo que gastámos com aquilo que nos dava alegria sem que nos apercebêssemos e lamentamos também o tempo que desperdiçámos com o que não valia a pena nem o esforço que lhe investimos. É assim porque o valor ou a importância das coisas depende dos olhos que as observam e das mãos que as recebem, os mesmos olhos que não são capazes de enxergar o que apenas o coração vê, as mesmas mãos que têm o poder e a autoridade de escolher guardar e cuidar da oferta ou deixá-la esquecida e a apodrecer ou a simplesmente deitá-la no lixo.

De pouco serve o que não dão ou o que ganhamos, se não formos capazes de poupar e cuidar, estimando de uma forma séria como de forma de as proteger das intempéries naturais do mundo quotidiano. Tudo quanto fazemos na vida de importante requer esforço e cuidado, atitudes que nem sempre temos, mas cuja falta sempre sentimos e lamuriamos a longo prazo. Assim, é inútil a pretensa lição de ética (no sentido aristotélico de viver uma vida boa, isto é, uma vida com sentido) ou a pseudo-regra que se costuma invocar aquando da conversa de viver uma vida realizada, na medida que é inútil plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro se o nosso propósito não for cuidar da árvore, criar o filho e dar um sentido ao livro. Efetivamente, a importância da vida está em cuidar e conservar aquilo que é digno da vida e do mundo, como forma de tornar intemporal aquilo e aqueles que têm valia para nós e para a existência que partilhamos com os outros.

Definitivamente, não temos aquilo que nos dão: temos aquilo que criamos em nós e nos outros, sementes que têm sempre o seu fruto, dependendo de nós que não sejam frutos amargos com que nos amargamos a nós ou aos outros, mas frutos doces que ajudam a colorir a nossa existência junto dos demais de quem também queremos cuidar.

 

Carlos Vinhal Silva

Advanced Heading
SUBSCREVA JÁ

NEWSLETTER

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Ler mais