Ah!Ah! Anadia Humor Fest no início de fevereiro

O Club d’Ancas promove de 02 a 05 de fevereiro 2023 um festivel de humor e comédia. Já são várias as confirmações de presença.
“A ideia desta segunda edição do Ah!Ah! Anadia Humor Fest é testar, nas suas diferentes formas, o uso do humor/comédia como forma artística: stand-up comedy, teatro, música e cinema preenchem a programação do AH!AH! ANADIA HUMOR FEST 2023, que contamos ser do interesse do público em geral”, afirma a organização.
Jovem Conservador de Direita
2 de fevereiro 2023 | quinta-feira | 21h00
Club de Ancas
Sinopse: É um privilégio viver na mesma era que o maior entendedor de todos os assuntos e um privilégio ainda maior poder vê-lo ao vivo a demonstrar o seu domínio sobre os assuntos como o Dr. Ronaldo domina aquele objecto esférico que é usado para executar o desporto futebol. Cultura, economia, engenharia aeroespacial, relações humanas, boys bands dos anos 90, o Doutor comenta todos os temas com a autoridade merecida de quem tem a opinião certa sobre tudo. Faz-se acompanhar de um estagiário que é um bocado burro, mas alguém tem de fazer o powerpoint.
Bruno Henriques e Sérgio Duarte são os criadores de Jovem Conservador de Direita e que nos vão ajudar a compreender o mundo atual através do seu pensamento satírico-politico.
3 de fevereiro 2023 | sexta feira| 21H00
Club de Ancas > CineClub Bairrada
Os PEŠPÄKØVÅ trazem-nos um cine concerto tendo por base três curtas emblemáticas do cinema mudo e de humor do início do século XX. “Sobre rodas” de Charlie Chaplin, “A Cabra” e o “Espantalho” de Buster Keaton foram seleccionados para serem musicados pelos Pešpäkøvå.
Sobre Rodas (The Rink) (de Charlie Chaplin, 1916, EUA, 25’)
SINOPSE: Charlot, um inapto funcionário de restaurante, aproveita o seu intervalo de almoço para ir patinar. No ring de patinagem está Mr.Stout a tentar conquistar a jovem Edna, enquanto Mrs.Sout está no restaurante onde Charlot trabalha, à mesa com o pai de Edna. Charlot e Edna acabam a patinar juntos, e é a partir daí que a confusão se instala.
A Cabra (The Goat) (de Buster Keaton, 1921, EUA, 23’)
SINOPSE: Uma série de aventuras começa quando, durante um acidente fotográfico, Buster acaba sendo confundido com um terrível bandido.
O Espantalho (The Scarecrow ) (de Buster Keaton, 1920, EUA, 19’)
SINPOSE: Além de trabalharem juntos na mesma fazenda e compartilharem diversos armengues mecânicos que facilitam as suas vidas, dois homens têm uma outra coisa em comum: disputam o amor da mesma mulher, que é a filha do fazendeiro. Inventivos, eles armam as mais engenhosas estratégias para deixar o outro para trás na corrida e conquistar o coração da amada. Mas, não importa o que eles façam, a jovem não demonstra interesse por nenhum dos dois.
Os Pešpäkøvå surgem numa viagem feliz por aldeias do concelho de Penacova, como que uma brigada da fritaria dependente da sua insurgência musical. Presentemente o duo (Ricardo Brito e Gonçalo Parreirão) dedica-se à sonorização de filmes mudos, com uma abordagem distinta da original, quebrando barreiras estéticas e energizando os filmes a seu belo prazer.
Peste & Sida (1ª parte Rosa Sparks)
4 de fevereiro 2023 | sábado| 23H00
Club de Ancas
Filipe Homem Fonseca dixit: “De 1986 até hoje, tudo mudou… para ficar cada vez mais na mesma. PESTE & SIDA, 36 anos no lombo, um álbum novo, grito contra as novas pragas que se vieram juntar às de sempre: NÃO HÁ PÃO, mas há Rock’n’Roll!.
A estupidificação alimentada pelas redes sociais e amplificada pelos “merdia” (ou será ice-versa?) é combustível para o incêndio contemporâneo. Quando a luta pela sobrevivência é a única pinga do quotidiano, está na hora de beber de outras fontes. Diz a iliteracia popular que “em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”. É bem capaz de não ser assim: se NÃO HÁ PÃO, é porque alguém lá fora nos anda a ficar com a farinha toda. NÃO HÁ PÃO para malucos, e os “malucos” estão fartos de não ter o dito.
Banda sonora da acção e da reacção contra o desgoverno que deixa as classes mais desfavorecidas à mercê das vontades dos anafados do costume, NÃO HÁ PÃO traz 10 chapadas musicais a serem devidamente distribuídas pelos focinhos das elites vampirescas, e celebradas pela comunidade PESTE & SIDA, círculo de amigos de ontem, de hoje e de amanhã.
O álbum foi co-produzido por Emanuel Ramalho, histórico do pop-rock tuga (Faíscas, Corpo Diplomático, Street Kids, Rádio Macau, Delfins e muitas outras bandas). Tendo já produzido o LP “Portem-se Bem e o Maxi single “Reggae Sida” (1989), o LP “Eles Andam Aí” (1992), o LP “Não Há Crise”, e o registo “Ao Vivo no RCA” (2015), o Emanuel tem uma percepção objectiva de quem são e de como querem soar os Peste & Sida. As gravações tiveram início em Dezembro de 2021 com a captação das baterias na sala de ensaio na Arruda-dos-Vinhos; baixos, guitarras, vozes e metais foram gravados ao longo do ano 2022 no estúdio “Aqui Há Gato”, com a pandemia a condicionar datas mas os Peste a serem mais teimosos que a Covid.
NÃO HÁ PÃO é luta e é festa, para a qual foram convidados músicos com fortes laços de amizade com a banda. Juntam-se à pândega Freddy Locks e Johnnie Simbiose, com quem João San Payo e Ricardo Barriga partilham palco nos Rosa Sparks. Presentes estão também o trompetista Ricardo Pinto e o saxofonista Gonçalo Prazeres, sendo que este último vai dirigir o reforço da banda com uma dupla de saxofones em palco. ”
NÃO HÁ PÃO é uma edição de autor, e será distribuído pela Amazing Records em formato CD em Novembro de 2022, e em formato vinil no início de 2023. Tem punk, tem ska, tem a sonoridade familiar e novos territórios a serem explorados; tem homenagens e versões de José Afonso, NZZN, Rock & Varius e Sílvio César. Traz força renovada, porque isto da P.D.I. toca a todos mas resvala em alguns. Há apelo à participação, porque juntos vamos mais longe, sempre onde não nos querem.
Concerto Peste & Sida (1ª parte Rosa Sparks) – 8,00€
M16
Advanced Heading
SUBSCREVA JÁ

NEWSLETTER

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Ler mais