Saiba quais foram os 10 preços que mais subiram na última semana na fatura do supermercado

O preço de um cabaz de bens alimentares considerados essenciais já aumentou 11,8% (21,66 euros) desde o início da guerra na Ucrânia, o que significa que abastecer a despensa pode custar agora mais de 205 euros, de acordo com uma análise da DECO Proteste.

“Um cabaz de bens alimentares essenciais custa esta semana 205, 29 euros, uma pequena descida de 0,13% face ao que custava há oito dias”, adianta a organização de defesa do consumidor.

Que preços mais subiram na última semana?

“Na última semana, entre 20 e 27 de julho, os dez produtos com maiores subidas de preço foram a curgete (mais 10%), a pescada fresca (mais 9%), a cebola (mais 8%), a alface frisada (mais 7%), a batata vermelha (mais 6%), a perca (mais 5%), a dourada (mais 4%), o queijo flamengo fatiado (mais 4%), a carne de novilho (mais 3%) e a couve-coração (mais 3%)“, adianta a DECO Proteste.

E desde o início da guerra?

Analisando exclusivamente as categorias de produto com maiores subidas de preços, entre 23 de fevereiro e 27 de julho, o peixe e a carne são as que mais se destacam, com subidas de 16,55% e 14,75%, respetivamente.

A DECO Proteste monitoriza os preços de um cabaz de 63 produtos alimentares essenciais, que inclui bens como peru, frango, pescada, carapau, cebola, batata, cenoura, banana, maçã, laranja, arroz, esparguete, açúcar, fiambre, leite, queijo e manteiga.

“Começamos por calcular o preço médio por produto em todas as lojas online do nosso simulador em que se encontra disponível, e depois, somando o preço médio de todos os produtos, obtemos o custo do cabaz para um determinado dia”, explica.

Advanced Heading
SUBSCREVA JÁ

NEWSLETTER

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceito Ler mais